sábado, 6 de fevereiro de 2010

(In) diferença

Quem te deu o direito, Homem, de julgar
O próximo, o seguinte e todos os outros,
Porque não são como tu?
Quem te outorgou o poder da supremacia,
Indicando o autêntico, o falhado, o vulgar e o estranho, o supino e o aquém?
Quem te crês para deter a razão,
Pronunciando a regra e o desvio como se apenas se pudessem delinear?
Como lidas com a mesquinhez de alguém que não sabe apenas aceitar, respeitando, mesmo não entendendo,
A mesma que te é inerente?
Por que ousas ser protótipo e exemplo se não entendes a desigualdade?

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial